Segunda-feira 25 de Setembro de 2017

Dia 04 de março de 2017 às 19:30 posse do neo acadêmico poeta e professor, Francisco de Assis Sousa

ASSIS SOUSA - DA POESIA À CRONICA.

Postado por: Gilson Chagas em 06/02/2014 as 13:16:44
ASSIS SOUSA - DA POESIA À CRONICA.

ASSIS SOUSA - DA POESIA À CRONICA. 

 

Gilson Chagas*

 
 

"(...).Ouse fazer e o poder lhe será dado."

 

                                                          Goethe

 
 

Acabo de conhecer, ainda em processo de gestação, os Filhos do Asfalto - coletânea de crônicas de Francisco deAssis Sousa – escritor eclético e poeta de carteirinha. Assis Sousa, guerreiro da mais nobre estirpe, tem seu quartel-general literário no sudeste piauiense (São Julião, Vila Nova...), onde exerce o magistério, inclusive acadêmico, em suas “horas de folga”. Ele, com dois livros publicados até aqui, (um de poemas, um de crônicas) e alguns outros na gaveta, tem-se constituído mui digno embaixador e menestrel da alma poética de sua gente, projetando-a com brilho em outras telas (plagas) brasileiras. 

 

Pelo que a seu respeito me é dado saber, Assis é um desses baluartes que emergem de inopino nos pontos mais inusitados.Tem o DNA do inconformismo, a motivação criativa e é movido pelo hormônio do crescimento – princípios encontradiços nos intérpretes e transformadores de ambientes. Alguém pré-disposto a provar que o difícil é fácil, “longe é um lugar que não existe” e que “a vida só é dura para quem é mole”. Não manda recado, por saber que o dito não chegaria a tempo de ser entendido; prefere ir. Tal ímpeto é da natureza dos precursores, dos vanguardistas... os quais chegam ao cenário da luta antes que o inimigo “emplaque” seus truques e blefes, convencendo o desavisado de que “no meio do caminho tem uma pedra”, para, assim,  poder tomá-lo de assalto 

 

Meu contato com o Assis Sousa poeta deu-se em “à margem esquerda do Rio”,   livro com que estreou em 2007. Nos passos seguintes, ele adentra o terreno da prosa. Seu ofício literário é estendido às crônicas. Neste gênero, já chegou ao segundo round:   primeiro foi “Sorria enquanto é tempo”. Aliás, essa é sem dúvida uma sugestão para ser levada a sério,   Agora é a vez deste “filhos do asfalto”.     

 

Suas crônicas são vivências refletidas ou reflexões em formato de histórias?. Um painel social e humano em que o autor ora atua como “roteirista”    e em que ora se camufla como personagem – quiçá protagonista – das cenas principais .É assim em “a décima salipada”, “meu Deus, que é (há) de nós?”, “as notícias que chegam do Norte” e assim por diante.  

 

“E a chuva, que não vem?!” Eis o clima de incertezas que secularmente atormenta a nação   sertaneja. Em seu lugar, veio a crônica com esse título, rica e saborosa. A criação mostra, entre outras evidências, que a inspiração do criador transcende a raia da poesia militante e sensível de suas primeiras experiências. Reportando o passado e apreendendo o presente, o vate agora se desdobra   e se mostra prosador de futuro.

 

O bicho-homem que protagoniza suas crônicas mantém os estereótipos que historicamente têm marcado nosso povo nordestino. Entre estes a clássica sina migratória ainda viva no sangue caboclo - mesmo daquele contingente que, como nós, a modernidade tem incorporado aos “filhos do asfalto”. 

 

Ali, a estiagem recorrente traz a escassez de sempre e, volta e meia, leva o sertanejo a buscar abrigo em sombras distantes (“mundo, mundo, vasto mundo, se meu nome fosse Raimundo...”) Pois as colheitas, como os meios de vida disponíveis na terra, são uma “vagem solitária” - título de uma das crônicas. “Vou trabalhar no ´trecho´ (...) roça não dá; estudar também não quero... O pau-de-arara de Patativa e Gonzaga (...) agora atende pelo nome de Itapemirim, Princesa... Tenho que chegar a tempo para o embarque (...)   está marcado para as 5h30...”

                                                 ....

Quer na poesia, quer em prosa, o fato é que a literatura piauiense – de tantos exemplares preciosos – a maioria ainda “inédita” aos olhos do grande mercado - deve prestar atenção nesse moço. Assis Sousa não será um nome comum -   há de ser marcado entre os raros. O amanhã lhe promete destaque em lista nobre. Se já, hoje, desponta viçoso na caatinga, é certo que tem fôlego e letra para sobrepor-se às intempéries das travessias áridas, e fazer a diferença em alguma estação do futuro. É tudo uma questão de tempo!.

 

·         Gilson Chagas é Escritor e Professor Universitário em Brasília-DF.

 

 

          

 

 

 

 

 

Seja o Primeiro a comentar esta matéria!
parceiros da ALERPwww.jornaldepicos.com.br
www.leiturartes.com.brwww.leiturartes.com.br
www.jornalista292.com.brwww.jornalista292.com.br
www.folhaatual.com.brwww.folhaatual.com.br
www.aroeirasnews.com.brAroeirasNews.com.br
parceiros da ALERPwww.portalfcs.com.br
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
www.academiadeletraspicos.com.brFale com o presidente
painel administrativoLogar no painel administrativo
leiturartes.com.brSite desenvolvido por Nonato Fontes
contato@leiturartes.com.br

© - Todos os direitos reservados a www.academiadeletraspicos.com.br