Domingo 10 de Dezembro de 2017

Dia 04 de março de 2017 às 19:30 posse do neo acadêmico poeta e professor, Francisco de Assis Sousa

CADEIRA Nº 09

Postado por: VILEBALDO NOGUEIRA ROCHA em 09/03/2016 as 19:26:20
CADEIRA Nº 09

CADEIRA  Nº  09

Patrono: Fontes Ibiapina

 

Fontes Ibiapina é o nome literário de João Nonon de Moura Fontes Ibiapina. Nascido em Picos (lugar Vaca Morta), a 14 de junho de 1921, filho de Pedro de Moura Ibiapina e D. Raimunda Fontes de Moura, fez o primário em sua terra natal e o secundário em Teresina, aonde veio a bacharelar-se em Direito (turma de 1954). Ainda como estudante, dedicou-se por algum tempo ao jornalismo. Findo o curso superior, logo entra para a magistratura, sendo juiz de direito em várias comarcas do Piauí.

Quando faleceu, aos 10 de abril de 1986, era juiz em Parnaíba-PI. De lá, seu corpo foi transferido para a Capital e sepultado, no dia seguinte, no Cemitério São Judas Tadeu. A família prestou-lhe homenagem depois de sua morte, criando a Fundação Fontes Ibiapina.

     Foi o primeiro presidente e um dos fundadores da Academia Parnaibana de Letras, fundada em 28 de julho de 1983. Membro da Academia Piauiense de Letras, foi o 3° ocupante da cadeira nº 9, patroneada por Alcides Freitas, teve como seu antecessor o folclorista e magistrado Pedro Borges da Silva. A cadeira nº 9, com a morte de Fontes Ibiapina, seria preenchida pelo ex-Governador Hugo Napoleão do Rego Neto. Também durante algum tempo, foi chamado a participar do Conselho Estadual de Cultura. Foi professor e diretor do Colégio Rural e Artesanal Pio XII, membro da Associação Profissional dos Jornalistas do Piauí e do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí. Mas, sua maior glória está na literatura que fez, publicou, ou deixou inédita; nos artigos que escreveu na imprensa do Piauí; nas aulas que deu nos colégios, pois sabemos que também exerceu o magistério.

É valioso o patrimônio que amealhou, registrou, difundiu, do nosso folclore e dos nossos costumes, especialmente os mais antigos. Deixou publicadas as seguintes obras “Chão de Meu Deus”, 1958; 2ª edição, 1965; “Brocotós”, 1961; “Pedra Bruta”, 1964, “Congresso de Duendes”, 1969; “Destinos de Contratempos”, 1974; “Quero, Posso e Mando”, 1976; “Mentiras Grossas do Zé Rotinho”, 1977 e “Lorotas e Pabulagens de Zé Rotinho” (conjunto de crônicas premiadas pelo Mobral), sem data de publicação; exceto a última obra, todas acima são do gênero conto, ao qual mais se dedicou, merecendo o maior destaque dos antologistas e estudiosos.

 No gênero romance, publicou: “Sambaíba”, 1963; “Palha de Arroz”, 1968; 2ª edição, 1975; “Tombador”, 1971; “Nas Terras do Arabutã”, 1984 e “Curral de Assombrações”, 1985; no folclore lançou dois trabalhos de suma importância: “Paremiologia Nordestina” e “Passarela de Marmotas”, ambos de 1975. Para o teatro, escreveu e publicou “O Casório da Pafunsa”, 1982, peças várias vezes encenada nas terras piauienses. Deixou no prelo o romance “Vida Gemida em Samambaia” e a coletânea de contos “Eleições de Sempre e Até Quando”, que sairiam com a data de 1985. provavelmente ele não chegou a vê-los em letra de forma porque foram publicados por editoras do sul: Clube do Livro, S. Paulo, resultado do VII Concurso Nacional do Clube do Livro (1º prêmio) e Editora Soma Ltda, também de São Paulo, respectivamente.

Segundo deixou escrito numa das folhas iniciais de “Curral de Assombrações”, além das duas obras citadas por último, deixou inéditos: “Pecado é o que Cai do Cacho”, romance; “Amor Roxo”, “Mentiras de Verdades”, “Onde a Velha Mediu de Cócoras”, “Onde o Filho Chora e a Mãe Não Houve” e “Nas Capembas Rajadas”, todos estes de contos; no folclore: “Gente da Gente”, “Desfile de Malucos”, “Mentiras ou não, o Povo Conta”, “Crendices e Supertições do Piauí”, “Terreiro de Fazenda”, “Ponta de Terreiro” e “Almas Penadas”. Anunciava também “Augusto dos Anjos” (ensaio) e “Brasileirismos no Piauí” (Dicionário).

A crítica nem sempre foi honesta com Fontes Ibiapina. Eu diria até que foi ingrata. Com obra tão volumosa e importante, ele não teve, em vida, sequer um artigo meu. São as ingratidões involuntárias. Por que um livro completo de análise da obra de O. G. Rego de Carvalho e somente o silêncio em torno dele?

Realmente fui omisso, mas não completamente. Sem que ele soubesse, a pedido de Assis Brasil que preparava o “Dicionário Prático da Literatura Brasileira” para as Edições de Ouro, Rio, 1979, escrevi uma resenha crítica da qual o dicionarista selecionou o seguinte trecho: “Nos últimos anos tem sobressaído mais o seu trabalho de pesquisa que a ficção. Mas ele (Fontes Ibiapina) trouxe uma importante contribuição à literatura do Nordeste, guiando os passos dos novos para a pesquisa da linguagem falada e sua transposição honesta e desabusada para as páginas dos romances e contos”.

Depois de sua morte, saíram dois opúsculos divulgando contos de Fontes Ibiapina: “Trinta e Dois e Tangerinos”, 1988, edições Corisco/Projeto Petrônio Portela; e “Dr. Pierre Chanfubois”, sem data de publicação, edição conjunta Corisco/APL/PPP, Teresina.

 

Parte do Texto do escritor Francisco Miguel de Moura que é membro da Academia Piauiense de Letras.           

 

 

          

 

 

Seja o Primeiro a comentar esta matéria!
parceiros da ALERPwww.jornaldepicos.com.br
www.leiturartes.com.brwww.leiturartes.com.br
www.jornalista292.com.brwww.jornalista292.com.br
www.folhaatual.com.brwww.folhaatual.com.br
www.aroeirasnews.com.brAroeirasNews.com.br
parceiros da ALERPwww.portalfcs.com.br
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
www.academiadeletraspicos.com.brFale com o presidente
painel administrativoLogar no painel administrativo
leiturartes.com.brSite desenvolvido por Nonato Fontes
contato@leiturartes.com.br

© - Todos os direitos reservados a www.academiadeletraspicos.com.br