Segunda-feira 16 de Outubro de 2017

Dia 04 de março de 2017 às 19:30 posse do neo acadêmico poeta e professor, Francisco de Assis Sousa

CADEIRA Nº 03

Postado por: VILEBALDO NOGUEIRA ROCHA em 09/03/2016 as 19:33:32
CADEIRA Nº 03

CADEIRA  Nº  03

José Albano de Macêdo - (Ozildo Albano)

 

 

Nascido a 20 de novembro de 1930 em Picos, José Albano de Macêdo foi uma criança meiga e obediente, demonstrando uma inteligência incomum, seus pais logo cedo o levaram a escola fundamental, tendo como professora, Hilda Policarpo, que socorrera feridos durante a 2ª guerra mundial.

Ozildo concluiu seus estudos no primeiro grau menor, como seminarista, no antigo Seminário de Teresina. Na sua mais importante criação, o museu e biblioteca: João Gomes Caminha, está exposta sua fotografia ao lado de contemporâneos seminaristas, inclusive picoenses. De volta a Picos, no ano de 1949, alistou-se e fez o Tiro de Guerra. E assim Ozildo passou por variadas situações na vida, as quais iam moldando a sua personalidade.

No final de 1949, o jovem prestou exame de admissão e ingressou na 1ª turma do Ginásio Estadual Picoense. Foi durante os quatro anos de Ginásio, além de aluno aplicado e brilhante foi coordenador, organizador e até professor da 2ª turma da qual foi integrante ao lado de sua irmã Conceição Albano, pessoa que mas amara na vida. Fundou, junto com vários companheiros, e foi presidente, o “Grêmio Literário Da Costa e Silva”. Coordenou várias atividades culturais, inclusive peças de teatro até que partiu para Recife de onde trouxe uma tipografia. Nasceu, então, “Flámula” o jornal do Ginásio de Picos. No dia 15 de março de 1952, espalhou-se pela cidade de Picos o 1° número do jornal do estudantil.

Naquela época, ele já começava a armazenar, alem de idéias democráticas e progressistas, livros, lembranças e achados, para a sua biblioteca, bem como para  a aquisição de peças raras e importantes para o museu, que guarda sem dúvida, tudo o que temos da memória de Picos.

Em 1954, foi para Fortaleza, a fim de dar continuidade a seus estudos, ingressando no segundo grau do Colégio Estadual do Ceará. Ainda no Ceará, prestou vestibular e ingressou no curso de Direito. Dos seus contemporâneos de Direito, ele tinha fotografias de todos. Inclusive, foram seus colegas de curso, Walfrido Salmito da SUDENE e Renato Aragão, o Didi de “Os Trapalhões”.

Regressando a Picos, formado, Ozildo prestou concurso público e tornou-se juiz de direito da comarca de Pio IX. Transferindo-se posteriormente para Jaicós, onde mais tarde deixou a magistratura, trocando a toga de juiz pela batina Franciscana.

A sua missão estava em Picos. Ao lado de Elísio Serafim e Olívia Rufino, fundou o primeiro trio de seresta da cidade. A princípio alegravam apenas festinhas de escola. Mas depois vieram os convites para as bodas de prata e ouro, aniversários, batizados e até missas. Sempre em seu aniversario eram feitas grandes serestas. Graças aos seus profundos conhecimentos, foi secretário de cultura de Picos, fazendo estudos para identificar o folclore, as tradições e a história de Picos. Ozildo tinha uma discoteca com todos os discos de musicas românticas possíveis e imaginários.

Patrono da cadeira nº 3 da ALERP, o intelectual Ozildo Albano criou e foi o sustentáculo da biblioteca e museu mais importante do nordeste ocidental. Foi um dos filhos mais queridos da nossa terra. Conhecia a todos e  era conhecido de todos. Tinha um enorme respeito pela pessoa humana, sem nenhum preconceito. Era completamente desprendido, não dando o menor valor ao dinheiro. Vestia-se com a maior simplicidade, e conversava com todos no nível cultural de cada um, embora dominasse o latim e o francês.

Os últimos empreendimentos de Ozildo, que não chegou a concluir, eram dois livros. O primeiro era um documentário da história de Picos, o segundo seria uma geografia pitoresca de Picos. Ozildo Albano tinha um profundo amor e devoção pela Virgem Maria e de modo especial pela padroeira de Picos, Nossa Senhora dos Remédios. Confiava em Jesus e respeitava o povo

 

Acometido de um infarto, a grande expressividade da cultura picoense, faleceu no dia 05 de julho de 1989, deixando uma lacuna impreenchível nos meios culturais de Picos. Em sua homenagem, que Olívia Rufino e Elízio lhe prestaram em um programa na radio Difusora de Picos, a musica final, foi aquela que Ozildo mais gostava: Porta Aberta, de Vicente Celestino.  

 

 

          

 

 

Seja o Primeiro a comentar esta matéria!
parceiros da ALERPwww.jornaldepicos.com.br
www.leiturartes.com.brwww.leiturartes.com.br
www.jornalista292.com.brwww.jornalista292.com.br
www.folhaatual.com.brwww.folhaatual.com.br
www.aroeirasnews.com.brAroeirasNews.com.br
parceiros da ALERPwww.portalfcs.com.br
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
parceiros da ALERPParceiro da academia de letras
www.academiadeletraspicos.com.brFale com o presidente
painel administrativoLogar no painel administrativo
leiturartes.com.brSite desenvolvido por Nonato Fontes
contato@leiturartes.com.br

© - Todos os direitos reservados a www.academiadeletraspicos.com.br